Quando foi?

47a9eaf5b68dbc3b1a22d7ce36c6664c

[Você pode ler ao som de Drunk In Love – Beyoncé]

Quando foi? Sei la quando foi, cara. Eu sei que foi. E foi só comigo, esse é o problema. Não deu aquele clique ou constatação em você também, e isso foi uma droga, entende? Eu poderia ter continuado mentindo e fingindo alcoolismo sentimental por mais um cado de tempo, mas eu preferi encarar a droga da ressaca sem remédio ou banho frio. Porque eu percebi que nunca esteve nos seus planos ficar e me oferecer um café. Você sempre esteve sóbrio.

Ah cara, pode ter sido em tantos dias que eu não sei bem ao certo. Pode ter sido quando você me puxou pra dançar e não disse uma palavra. Pode ter sido no momento em que disse que ia buscar uma bebida e já voltava. Ou quando voltou mesmo. Porra, por que você voltou? Você estragou todos os meus planos de lembrar de você só como o carinha da balada. Pode ter sido em qualquer dia desses meses e eu só me dei conta depois. O clique mesmo só veio naquela noite que você dormiu no meio do filme e eu fiquei ali te observando parecer só mais um guri com uma barba pra apimentar o sorriso. Ali eu parei pra pensar que a gente poderia ser mais, a gente poderia passar a vida juntos e eu poderia dividir com você todos os meus filmes favoritos ou só te esperar chegar num desses cafés que tem aqui pelo centro. Eu poderia escrever sobre como foi te transformar no cara com quem eu dividia os meus dias e as poesias do Leminski. Em como eu queria ter desenhado você no meu moleskine com um trecho de um livro qualquer que falasse sobre amor. Ou como queria ser a guria sorrindo contigo numa foto do Instagram com uma legenda de uma música do Chico. Mas você nem gosta do Chico e prefere os quadrinhos às poesias.

Eu preferia que não tivesse sido, sabe? Que nunca tivesse sido amor. Eu poderia escrever sobre amor de outras formas e em outros textos. Mas não contigo. A gente poderia ter passado longe disso e ter ficado só nos porres. Poderia ter sido só uns risos, um drink e passar-bem. A gente ia se encontrar por aí sem ter que disfarçar o que foi e só dizer um oi-e-ai-quanto-tempo-vamos-sair-vamos-me-liga e cada um pro teu lado. Poderia não ter sido e eu nem falaria sobre você. Eu queria não ter que disfarçar o olhar ao falar de você. E se me perguntassem eu diria o quanto foi bom, o quanto meu corpo se alinhou ao teu e a gente foi feliz ali, só. Sem ter que colocar o coração no meio da história. Não teria doido tanto ao perceber que só foi amor pra mim, que pra você foi um cado de dias bons e uma guria bonita.

Mas deixa pra lá o quando foi, porque a porra toda foi só comigo. Contigo tá tudo bem, a vida ta na mesma e você me diz te-cuida-morena. Droga. Eu me cuido.

dani

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s